Camas Elevadas ou Camalhões Agrícolas

O conceito de cama elevada em Horticultura – familiar ou comercial – não é recente mas tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos – sobretudo em Agricultura Biológica – pois é uma técnica alternativa que gera diversos benefícios:

Uma cama elevada não é mais que uma espécie de canteiro permanente, o qual é desenhado para fácil acesso – sendo a sua elevação até pensada para favorecer o acesso humano. Em vez de se trabalhar directamente no chão, o que obriga a lavrar ou gradar o terreno, preparar o solo e mondar sucessivamente, a cama elevada é uma estrutura permanente à qual é apenas adicionado anualmente uma camada de estrume ou matéria orgânica compostada, o que mantém a sua fertilidade e permite não fazer qualquer mobilização de solo – o que cada vez mais sabemos ser nocivo para a vida subterrânea, factor vital num solo saudável e vivo.

Camas Elevadas ou Camalhões Agrícolas

 

A técnica da cama elevada é sempre utilizada em associação com as técnicas de mulching ou cobertura morta de solo, sendo que se resume a 5 passos simples:

1. Desenhar no chão a forma da “cama” – seja rectangular, redonda, ou com uma forma geométrica orgânica como um conjunto de camas que formam uma espiral.

2. Cortar a relva/mato e proceder a uma boa rega do solo.

3. Forrar o fundo da cama com cartão – sem plásticos, fita-colas, e sem impressões. Regar intensivamente o cartão até ficar bem molhado. O cartão fornece uma camada de matéria orgânica e impede a germinação de sementes.

4. Colocar uma dose de terra, seguida com uma dose de estrume ou matéria orgânica compostados.

5. Forrar o topo da cama com palha, folhas secas, serradura, etc para proteger o solo e manter a humidade.

E a sua cama elevada está pronta a ser semeada/plantada!

Camas Elevadas ou Camalhões Agrícolas

 

Em Agricultura Biológica promove-se a consociação entre 2 a 3 vegetais ou plantas, sendo que numa cama de 60cm de largura pode-se colocar 3 linhas de plantas – seguindo as regras de consociação. No caso de disciplinas mais alternativas como a Permacultura, a consociação deve ser levada ao extremo e procurar maximizar todo o espaço com a constante introdução de plantas companheiras, benéficas, flores, ervas aromáticas, etc.

Camas Elevadas ou Camalhões Agrícolas

 

É possível ainda aproveitar a topografia do próprio terreno e cruzar a técnica de cama elevada com valas de infiltração em curva de nível, ou Swales, as quais potenciam a maximização de retenção e infiltração de água da chuva (em vez de descer pela superfície do terreno a água fica retida nas valas, que podem inclusivamente direcionar a água para uma conduta de escape – caso seja em demasia – ou mesmo alimentar um lago, dique, etc.).

Camas Elevadas ou Camalhões Agrícolas

 

Dentro deste conceito geral de Cama Elevada, existem ainda alguns casos mais complexos, como a técnica austríaca hugelkltur ou as camas africanas keyhole. A primeira inclui abrir previamente uma vala e cobrir a mesma com uma base de todo o tipo de paus e troncos – das mais variadas espécies e tamanhos possível – os quais irão lentamente compostar e alimentar a cama. A técnica keyhole são camas circulares com um acesso ao centro, onde é colocado um minhocário ou compostor – que permite o constante fertilização da cama.

Técnica austríaca Hugelkltur:

 

Técnica austríaca Hugelkltur

 

Técnica austríaca Hugelkltur

 

 

 

Camas africanas Keyhole:

 

Cobertura de canteiros

 

Camas africanas Keyhole

 

Camas africanas Keyhole

 

 

 

 

O ideal será colocar um sistema de rega gota-a-gota para maximizar a eficiência da sua rega. A altura da cama e a estrutura de suporte é um aspecto totalmente personalizável ao espaço, recursos, necessidades e gosto de cada um. Estas camas podem ainda incluir uma estrutura para colocação de plástico de estufa.

Camas elevadas - sistema de rega

 

 

Leia também:

Compostagem – Fertilizante Natural para o Seu Jardim

Valas de Infiltração em Curva de Nível ou Swales

Cobertura Morta de Solo ou Mulching

Save

Escrito por A Senhora do Monte

Uma homenagem ao Portugal das tradições, dos saberes e dos sabores.

  • Emilia Castro

    Gostei imenso de encontrar o seu site. Ajudou-me a encontrar a resposta e o incentivo para experimentar esta forma de agricultura. Obrigada…e voltarei

  • Pingback: Erros comuns no Jardim comestível - A Senhora do Monte()

  • Emilia Castro

    Obrigada pelas informacoes e conselhos que tao generosamente publica. Desde que a encontrei que a visito com muito interesse. E uma inspiracao e motivacao para concretizar algumas ideias que me acompanham ha algum tempo.

    • A Senhora do Monte

      Olá Emília :) Obrigada pelos seus elogios e por nos acompanhar :)

  • Pingback: Conheça o galinheiro móvel! - A Senhora do Monte()

  • Pingback: Como planear um jardim comestível()

  • Sandro Lorenzini

    Sucintos e instigantes! Ótimas dicas para ‘iniciar os trabalhos’. Grato!

    • A Senhora do Monte

      Obrigado por nos acompanhar! :)