Como planear um jardim comestível

Um jardim comestível é mais que uma horta biológica. Uma horta para ser biológica basta não usar produtos convencionais, mas usando a tradicional estrutura de regos e pequenos canteiros monoculturais dificilmente evitará os mesmos problemas que a agricultura convencional – tendo posteriormente de recorrer a diversos produtos biológicos (comprados ou caseiros) para procurar corrigir erros de planeamento.

No caso de um jardim comestível, falamos de um espaço de biodiversidade que considera diversas técnicas e elementos que vão criar um ecossistema (comestível) que se equilibra a si mesmo – reduzindo em muito o risco de “pragas” ou “pestes” (estas são basicamente o resultado de um trabalho humano que não segue a forma como a Natureza trabalha).

 

Jardim comestível

 

Assim, ao decidir avançar para um jardim comestível deve considerar:

  1. Recorrer às técnicas de consociação de espécies, evitando a concentração monocultural de plantas: desta forma tanto evita esgotar o seu solo (concentração das mesmas plantas esgota determinados nutrientes da terra) como não permite que determinado insecto encontre as condições certas para se instalar e desenvolver ao ponto de se tornar uma “praga”.
  2. Instalar canteiros de plantas auxiliares ou uma bordadura de flores e aromáticas: estas vão atrair biodiversidade e comunidades de insectos benéficos que serão a sua primeira linha de defesa contra insectos com potencial de se tornar “pragas”.
  3. Considerar um pequeno lago no canto ou centro da horta: este vai atrair tanto sapos e rãs, como alimentar insectos importantes como abelhas, louva-a-deus, etc. sendo fundamental para atrair e manter biodiversidade. O lago deve ser ladeado (sobretudo a sul) de plantas que gerem sombra e deve ou ter água corrente ou um equilíbrio entre plantas e peixes de modo a manter a água limpa e oxigenada.
  4. Definir canteiros, camas ou camalhões permanentes: desta forma desenha logo de raiz os caminhos e as zonas agrícolas, evitar compactar o solo dos canteiros e fica com um espaço bem organizado.
  5. Criar uma zona de compostagem ou vermicompostagem: nada será mais eficiente que criar o seu próprio solo com os próprios resíduos da horta e da cozinha, renovando anualmente a fertilidade da sua horta ao cobrir os canteiros agrícolas aquando da renovação entre horta de inverno e horta de verão.

 

Como fazer um jardim comestível

 

Com estes 5 passos terá um magnífico jardim comestível, fácil de trabalhar e manter e com baixo risco de lhe dar problemas. Claro que o local em específico da sua horta (ou mesmo as práticas de vizinhos) poderá ter influência no comportamento do seu jardim (por exemplo, num local húmido à beira de um rio terá com certeza mais tendência para caracóis e lesmas), mas desta forma arranca sempre da melhor forma possível. Deve também analisar profundamente o local e enquadramento do espaço de modo a incluir possíveis problemas no planeamento do seu jardim!

Saiba também quais os erros mais comuns entre os jovens hortelãos!

Escrito por A Senhora do Monte

Uma homenagem ao Portugal das tradições, dos saberes e dos sabores.

  • Esmeralda André

    Adorei e fiquei encantada com as fotografias e o texto,uma maravilha,obrigada.Aprendi muita coisa

    • A Senhora do Monte

      Obrigado por nos acompanhar! 🙂

    • Naylde

      Adorei!

  • IARAThomaz

    Com a leitura do texto , já aprendi algumas coisa.Achei lindo todos canteiros, vou fazer, apesar do meu espaço ser pequeno e só bater sol pum pouquinho de manhã.
    Gostaria de receber mais informações…e ao meu grande desafio plantar flores comestíveis.
    Agradeço e aguardo retorno.

    • A Senhora do Monte

      Tamanho não é tudo! Bem aproveitado um pequeno espaço é muito produtivo, também deve aproveitar as superfícies verticais para trepadeiras ou vasos suspensos. No caso de pouca exposição solar deve privilegiar produções das quais comemos as folhas, como alface, espinafre, agrião, couve, etc – são as que precisam de menos sol. Mas 6 horas de sol é o suficiente para crescer muita coisa! Boa sorte e obrigado por nos acompanhar! 🙂

  • Esclarecimento muito bom,agora é plantar e colher. Obrigada

    • A Senhora do Monte

      🙂 🙂

  • Maria Isabel de faria

    Adorei a matéria. Mantenho em minha casa uma jardineira onde cultivo hortaliças e aromáticas, para o meu consumo. O sabor é outro e sem contar a satisfação de poder ver o poder e a magia que as plantas emanam. Amo a natureza, herdei esses hábitos dos meus avós que vieram da Espanha!!!

    • A Senhora do Monte

      Obrigado por nos acompanhar! 🙂

  • Maria Cecília Braga

    Parabéns pelo seu trabalho. Muito interessante. Obrigada

    • A Senhora do Monte

      Obrigado por nos acompanhar! 🙂

  • Estou inserindo ao meu projeto de conclusão de curso, a proposta de um paisagismo alimentar! Essa dica foi sensacional e terei como base referencial para o projeto! Parabéns!