Como planear um jardim comestível

Um jardim comestível é mais que uma horta biológica. Uma horta para ser biológica basta não usar produtos convencionais, mas usando a tradicional estrutura de regos e pequenos canteiros monoculturais dificilmente evitará os mesmos problemas que a agricultura convencional – tendo posteriormente de recorrer a diversos produtos biológicos (comprados ou caseiros) para procurar corrigir erros de planeamento.

No caso de um jardim comestível, falamos de um espaço de biodiversidade que considera diversas técnicas e elementos que vão criar um ecossistema (comestível) que se equilibra a si mesmo – reduzindo em muito o risco de “pragas” ou “pestes” (estas são basicamente o resultado de um trabalho humano que não segue a forma como a Natureza trabalha).

 

Jardim comestível

 

Assim, ao decidir avançar para um jardim comestível deve considerar:

  1. Recorrer às técnicas de consociação de espécies, evitando a concentração monocultural de plantas: desta forma tanto evita esgotar o seu solo (concentração das mesmas plantas esgota determinados nutrientes da terra) como não permite que determinado insecto encontre as condições certas para se instalar e desenvolver ao ponto de se tornar uma “praga”.
  2. Instalar canteiros de plantas auxiliares ou uma bordadura de flores e aromáticas: estas vão atrair biodiversidade e comunidades de insectos benéficos que serão a sua primeira linha de defesa contra insectos com potencial de se tornar “pragas”.
  3. Considerar um pequeno lago no canto ou centro da horta: este vai atrair tanto sapos e rãs, como alimentar insectos importantes como abelhas, louva-a-deus, etc. sendo fundamental para atrair e manter biodiversidade. O lago deve ser ladeado (sobretudo a sul) de plantas que gerem sombra e deve ou ter água corrente ou um equilíbrio entre plantas e peixes de modo a manter a água limpa e oxigenada.
  4. Definir canteiros, camas ou camalhões permanentes: desta forma desenha logo de raiz os caminhos e as zonas agrícolas, evitar compactar o solo dos canteiros e fica com um espaço bem organizado.
  5. Criar uma zona de compostagem ou vermicompostagem: nada será mais eficiente que criar o seu próprio solo com os próprios resíduos da horta e da cozinha, renovando anualmente a fertilidade da sua horta ao cobrir os canteiros agrícolas aquando da renovação entre horta de inverno e horta de verão.

 

Como fazer um jardim comestível

 

Com estes 5 passos terá um magnífico jardim comestível, fácil de trabalhar e manter e com baixo risco de lhe dar problemas. Claro que o local em específico da sua horta (ou mesmo as práticas de vizinhos) poderá ter influência no comportamento do seu jardim (por exemplo, num local húmido à beira de um rio terá com certeza mais tendência para caracóis e lesmas), mas desta forma arranca sempre da melhor forma possível. Deve também analisar profundamente o local e enquadramento do espaço de modo a incluir possíveis problemas no planeamento do seu jardim!

Saiba também quais os erros mais comuns entre os jovens hortelãos!

Escrito por A Senhora do Monte

Uma homenagem ao Portugal das tradições, dos saberes e dos sabores.