História e tradição das vindimas

O final do Verão e o início do Outono assinala a época oficial das vindimas!

Nesta altura as uvas estão prontas para serem colhidas das videiras, numa tarefa em jeito de celebração, onde não faltam boa disposição, alegria e convívio – as uvas colhidas irão ser usadas para produzir o vinho do ano.

Vindimas

Entre Setembro e o Outubro, quando as uvas já se apresentam maduras, ou seja, quando o seu peso, cor e acidez apresentam as condições ideais para a produção do vinho, decorrem as vindimas.

Esta actividade é típica do norte de Portugal – nomeadamente na região do Douro – mas a verdade é que as vindimas também se realizam em muitas outras regiões do país, inclusivamente nas ilhas.

 

Vinhas do Douro

 

As diferentes regiões (Litora,Beiras, Alentejo, Madeira, etc.) contribuem assim para o cultivo de castas distintas (branco e tinto) e, consequentemente, para vinhos distintos, aumentando assim o espólio riquíssimo de vinhos de qualidade com o selo português.

 

Vinhas na Ilha do Pico

 

Independentemente da região, as vindimas são um evento importante no calendário das colheitas anuais e um dia vivido em pleno.

Qual a melhor altura para se vindimar?

Apesar das várias técnicas modernas introduzidas por enólogos, continua a ser possível determinar qual a melhor altura para se vindimar através de um simples e tradicional método popular: “quando os pés das uvas estiverem murchos e as peles dos bagos começarem a contrair“.

 

Cachos de uvas

 

Vindimas de antigamente

Familiares e amigos reúniam-se no dia designado para as vindimas – cada um combinava datas diferentes para que o grupo pudesse ajudar nas vindimas uns dos outros.

O trabalho começava bem cedo com as mulheres a transportarem cestos de vime, à cabeça, e os homens a carregarem escadas de madeira para se conseguir chegar a todos os cachos.

 

Apanha das vindimas

 

As vindimas eram feitas ao som do chilrear dos pássaros, dos ranchos folclóricos e das concertinas, ferrinhos, bombos e braguesas.

A meio da manhã parava-se para petiscar e ganhar forças para continuar o resto do trabalho.

As mulheres não deixavam escapar nem um cacho nas videiras, já os homens carregavam os cestos de vime cheios de cachos até aos carros de bois.

 

Vindimas

 

O almoço prolongado em ambiente de festa era o descanso merecido, dos trabalhadosres, depois de uma manhã inteira a vindimar.

As celebrações continuavam nos lagares onde os homens, de calções ou calças arregaçadas, formavam uma roda, davam os braços e ao ritmo da música pisavam as uvas colhidas.

 

vindimas

 

Vindimas de hoje

Hoje em dia, continua-se a reunir família e amigos em torno deste ritual anual. O intervalo, a meio da manhã,  mantém-se e concluído o trabalho, o tradicional almoço é aproveitado para descansar e pôr a conversa em dia.

Os carros de bois deram lugar aos tractores e depois de colhidas as uvas, outrora levadas para os lagares para serem pisadas, seguem para as adegas onde, através do uso de equipamentos mecânicos, serão transformadas em vinho.

 

Vindimas modernas

 

Por fim, resta esperar pelo dia de São Martinho (11 de Novembro) para juntamente com um prato de castanhas fumegantes, provar o vinho novo!

Escrito por A Senhora do Monte

Uma homenagem ao Portugal das tradições, dos saberes e dos sabores.