Conheça a tradição da Festa dos Rapazes do distrito de Bragança!

A Festa dos Rapazes é uma festa tradicional do distrito de Bragança.

O culto de Santo Estevão está associado à Festa dos rapazes, integrada no ciclo de festividades do Solstício do Inverno, no período que decorre do dia 24 de Dezembro ao dia 6 de Janeiro. No passado, esta festa pagã era dedicada ao culto do Sol. Mais tarde, com o advento do cristianismo, foram adoptadas pela Igreja que lhes conferiu um carácter cristão.

Os preparativos para esta festa começam cedo: a compra da vitela, o pedido de empréstimo da casa para os momentos de convívio, a negociação com o gaiteiro, , as rondas à noite ao som da gaita-de-foles anunciam a festa logo desde o início de Dezembro.

A iniciativa da realização da festa, bem como toda a sua organização cabe aos mordomos escolhidos no ano anterior.

No dia da festa, a alvorada dá-se de madrugada, ao toque dos tambores, da gaita-de-folesco e dos cânticos. Os intervenientes fazem duas rondas pela aldeia.

 

É usado um traje especial de mascarados no ciclo das festas de Natal – mascarões, chocalheiros, zangarões e caretos. Estes actuam como meros mendigantes ao serviço da igreja, percorrendo as localidades a recolher escudos ou outros tributos.

Festa dos Rapazes - Bragança

Os mascarados para além das máscaras de folheta pintada, usam fatos, na maioria das vezes, feitos de colchas de fabrico caseiro, decorados de trama de lã vermelha, composta de casaco com capuz.

Um grupo constituído exclusivamente por rapazes com, pelo menos, 16 anos, depois da missa do Natal, enverga as suas máscaras e os respectivos trajes. Estes rapazes percorrem as casa vizinhas, uma por uma. No final da peregrinação às casas, os rapazes ocupam posições estratégicas de forma a amedrontar as pessoas, especialmente mulheres e crianças com o objectivo de as forçar a concentrarem-se no largo da aldeia, onde tem lugar o colóquio e as loas.

 

As loas consistem na apresentação das boas festas, por um mascarado que sobe a um palco rudimentar preparado para o efeito, enquanto os outros mascarados, comentam um a um, em tom sarcástico os acontecimentos mais importantes ocorridos ao longo do ano.

 

À noite é realizada a refeição cerimonial. E no final da ceia,  começa a nomeação dos novos mordomos que é feita no jantar do dia 26 Dezembro e a transposição simbólica dos poderes é dada pela troca dos chapéus. Estes apresentam, como sinal distintivo, uma fita vermelha com as pontas pendentes sobre as costas.

Os mordomos velhos elegem os novos, experimentando os chapéus na cabeça de todos os rapazes presentes e perguntando se servem ou não. Após a resposta, ouve-se o grito de proclamação: “Vivam os mordomos novos“. E a festa acaba com um baile onde finalmente intervêm as raparigas.

Algumas características desta festa diferem de aldeia para aldeia.

Ousilhão

Em Ousilhão, aldeia transmontana do concelho de Vinhais, a Fetsa dos Rapazes realiza-se nos dias 24, 25 e 26 de Dezembro.

A festa de Ousilhão, comparada com a festa das povoações vizinhas, é aquela que preserva a maior parte dos elementos tradicionais: um rei, dois vassalos, quatro moços, um gaiteiro, um tamborileiro e um grupo de mascarados.

Todos os anos a população repete as mesmas cerimónias e os mesmos ritos.

Tradição da Festa dos Rapazes - Ousilhão

Quando os mordomos se eximem das suas obrigações os rapazes da aldeia fazem-lhe o enterro. Armam um cadafalso, de forma cerimonial, preparam um púlpito, os bancos e a estante para os ofícios. Preparam um “mono” – um boneco feito com palha e farrapos – e chamam os “padres” (homens trajados de padres). Os mascarados gritam, cantam e dançam ao som da gaita-de-foles e ao mesmo tempo conduzem o “cadáver” (o mono) até ao cadafalso.

De seguida entoam o “ofício”.  E quando este está terminado o pregador faz o elogio fúnebre – uma farsa, cómica, em verso que faz rir os ouvintes. Posto isto, é lido o testamento e por fim, os elementos que participaram fazem a incineração do cadáver.

No final da cerimónia come-se e bebe-se até fartar.

Os habitantes de Ousilhão afirmam que no ano em que não realizaram a Festa, “a agricultura não deu nada, os frutos bicharam e os animais adoeceram”.

 

Vale Salgueiro

Esta aldeia pertencente ao concelho de Mirandela celebra a Festa dos Rapazes no Dia de Reis.

Vale Salgueiro tem uma forma bastante original de assinalar este dia de grande importância tradicional.

Todos os anos, é escolhido alguém para protagonizar a figura do rei e é este que organiza a festa e traz consigo uma coroa carregada de ouro emprestado pelos habitantes, que vale cerca de 30 mil euros.

Mas o bizarro desta tradição não fica por aqui..

Dezenas de crianças andam pelas ruas com maços de tabaco e têm permissão dos próprios pais para fumar – mas só durante dois dias.

Festa dos Rapazes - Vale Salgueiro

Como dita a tradição, a festa dura dois dias. O rei percorre todas as habitações da aldeia, sempre acompanhado de um grupo de gaiteiros, distribuindo cerca de 300 quilos de tremoços e 100 litros de vinho, em cabaças tradicionais. Em troca, a população oferece um donativos para a celebração da festa.

Ao mesmo tempo, no centro da aldeia, vai-se preparando o baile e, quando o rei chega, as pessoas são convidadas a dançar a murinheira, típica dos celtas, ao som dos bombos e das gaitas-de-foles.

No segundo dia da festa, a alvorada acontece às sete horas da manhã. O rei, sempre acompanhado dos tocadores das gaitas de foles e dos bombos, volta a percorrer toda a aldeia para receber a “manda“, ou seja, os donativos doados para contribuir para as despesas que a festa acarreta.

Festa dos Rapazes - Bragança

A festa termina com a celebração da missa, altura em que se coloca a coroa noutro habitante da aldeia, que terá a responsabilidade de organizar a festa do ano seguinte.

Ninguém sabe ao certo quando começou a tradição da festa de Vale do Salgueiro, nem as razões que levaram à sua realização desta forma.

Os mais velhos dizem que esta festa é muito antiga e já era realizada pelos seus avós, afirmam idosos com idades a rondar os 85 anos. Dizem ainda que quando eram crianças também fumavam cigarros que custavam 5 tostões!!!

 

Outros afirmam que esta tradição já vem do tempo dos reis.

Tradição da Festa dos Rapazes - Mirandela

Save

Save

Save

Escrito por A Senhora do Monte

Uma homenagem ao Portugal das tradições, dos saberes e dos sabores.