História do moliceiro

Moliceiro é o nome dado aos barcos que circulam na Ria de Aveiro.

 

Estas  embarcações eram utilizadas, originalmente, para a apanha do moliço. O moliço é uma planta aquática e era a principal fonte de adubagem nas terras agrícolas de Aveiro. Ou seja, o moliceiro era um barco de trabalho.

A área geográfica da sua actuação abrange toda a superfície da Ria desde Ovar a Mira, variando as suas dimensões conforme as zonas onde navega.

O barco moliceiro trabalha sempre de dia, e só excepcionalmente de noite, quando vai recolher a vegetação nos cabeços descobertos pela baixa-maré.

 

Moliceiros

 

É um dos ex-líbris de Aveiro.

Os barcos são de borda baixa para facilitar o carregamento do moliço e têm uma proa e uma ré muito elegantes que normalmente estão decorados com pinturas que ridicularizam situações do dia a dia.

O  seu comprimento total é cerca de 15 metros, a largura de boca 2,50 metros. Navega em pouca altura de água. O castelo da proa é coberto.

 

Moliceiros - Aveiro

 

Como meios de propulsão usa uma vela, a vara e a sirga. A sirga é um cabo que se utiliza na passagem dos canais mais estreitos ou junto às margens, quando navega contra a corrente ou contra o vento. É construído em madeira de pinheiro, espécie predominante em grande parte da região de Aveiro.

São precisos 25 dias, em média, para a sua construção e 2 homens. Resistindo cerca de 7 anos ao serviço.

 

Actualmente os moliceiros são mais usados para fins turísticos do que para o seu propósito original.

 

História do moliceiro

Save

Save

Save

Save

Escrito por A Senhora do Monte

Uma homenagem ao Portugal das tradições, dos saberes e dos sabores.