Propriedades e indicações terapêuticas da salvia

A salva pertence à espécie Salvia officinalis e à família Lamiaceae. Arbusto originário da região mediterrânica oriental. Também conhecida por erva santa, salva das farmácias, chá de frança e erva sacra.

O seu nome deriva do latim– Salus – saúde, devido às suas propriedades curativas.

Trata-se de um subarbusto perene que pode alcançar 30 a 40cm. As flores, conforme a variedade, podem ser brancas, rosadas, azuladas, violetas ou uma combinação destas cores. Estas podem ser usadas em saladas pois são comestíveis.

Esta planta gosta de boa exposição solar, solos arenosos, neutros e alcalinos e bem drenados. Não requer grande manutenção. Se forem demasiado regadas as suas raízes começam a apodrecer rapidamente e, consequentemente, a planta morre. Em estados de stress torna-se sensível a pragas de cochonilas.

 

Sálvia

 

Normalmente florescem entre os meses de maio e junho e a sua colheita deve ser feita antes da floração.

As suas folhas possuem um aroma forte sendo usadas em pratos culinários de assados de carnes.

Cultivada na horta, em consociação com outras espécies, ajuda a repelir várias pragas como a borboleta branca da couve, mas por outro lado também atrai insectos benéficos como é o caso das abelhas.

Usada desde a antiguidade para tratar mordidelas de cobra, aumentar a fertilidade feminina e para afastar o “mal”.

Pensa-se que foi introduzida na Europa pelos romanos, a partir do antigo Egipto. Desde sempre foi considerada uma planta medicinal.

Os romanos consideravam-na sagrada e criaram uma cerimónia especial para a altura em que a planta era apanhada. Estes e também os gregos usavam-na na conservação de carne dado que a salvia possui propriedades que atrasam o processo de deterioração.

No séc.X médicos árabes acreditavam que esta planta conferia imortalidade a quem a ingerisse dando-lhe o nome de “planta da imortalidade”.

Índios da Sierra Mazateca do México usaram salvia, durante séculos, como planta medicinal e para induzir estados de transe, dadas as suas propriedades alucinogénicas.

 

Vinagre dos quatro ladrões

 

 

Já na Idade Média variados provérbios eram usados conferindo propriedades medicinais à planta. Chamavam-na de S. salvatrix ( Salva a salvadora) e era também um dos ingredientes do Vinagre dos quatro ladrões – mistura de ervas que protegia a população da peste.

Alguns especialistas afirmam que a salvia púrpura – Salvia officinallis ´Purpurascens´- é a variedade de salvia mais forte relativamente às propriedades medicinais.

Esta planta sempre foi objecto de estudo. Estudos esses que comprovam que a salvia auxilia no tratamento de Alzheimer e que ajuda a retardar o processo de envelhecimento.

As folhas frescas de salvia, quando esfregadas (lado superior mais rugoso), ajudam a limpar os dentes.

Já os vegetarianos passam as folhas de salvia por farinha e ovo, fritam-nas em azeite, para serem comidas como peixinhos da horta.

Peixinhos da horta de salvia

Usada como remédio caseiro e também na culinária, muitos consideram-na um substituto do louro.

O seu corante é usado no tingimento de lãs e tecidos em tons de amarelo e verde. Na indústria cosmética é usava como restauradora de cabelos castanhos. A sua essência também é muito utilizada em talcos, fixador de perfumes, desodorizantes, pasta de dentes e champôs.

 

Propriedades e Indicações Terapêuticas:

  • partes utilizadas: folhas e flores
  • anti-oxidante
  • anti-séptica bucal
  • anti-inflamatória
  • anti-envelhecimento
  • cicatrizante
  • aromática
  • calmante – pele
  • anti-transpirante – reduz o excesso de oleosidade
  • emoliente
  • germicida
  • balsâmica
  • tonificante – fígado
  • estimulante hepático
  • problemas digestivos
  • gengivites
  • aftas
  • manchas nos dentes
  • estomatites
  • diabetes
  • febres
  • dores de garganta
  • inflamação de mucosas
  • catarro
  • mau hálito
  • bronquites
  • pele – ajuda a fechar os poros dilatados
  • reumatismo
  • vómitos
  • tuberculose
  • ansiedade
  • depressão
  • menopausa
  • circulação sanguínea
  • sudorese excessiva
  • menstruações dolorosas
  • estimulante do crescimento capilar
  • reduz o excesso de oleosidade
  • rugas

 

Uso Interno:

Infusão de salvia – 1 colher de sopa para um litro de água a ferver. Beba 1 chávena de chá três vezes ao dia depois das refeições, durante 10 dias (adultos). A infusão poderá ser feita com folhas frescas ou secas. Este chá é indicado para problemas digestivos, estimulante hepático, para melhorar a circulação sanguínea, transpiração excessiva, ansiedades, depressões e problemas relacionados com a menopausa.

 

Tratamentos caseiros com salvia

 

Interacções com outras plantas:

 

Infusão de salvia com calêndulas – infusão com efeitos anti-sépticos.

 

Infusão de salvia com camomila e anis – infusão com efeitos digestivos.

 

Infusão de salvia com verbena, borragem e cardo santo – infusão com efeitos anti-sudoríficos.

 

Uso Externo:

Decocção de Salvia – gargarejos – indicado para gengivites e inflamações bucais.

Compressas e banhos de assento – 30g de salvia num litro de água a ferver durante 10min. Faça lavagens na zona afectada ou aplique compressas locais 3 vezes ao dia. Indicado para infecções na pele, picadas de insectos e corrimento vaginal.

Dor de dentes – Os antigos acreditavam que aplicar uma folha de salvia sobre um dente infectado aliviava as dores.

 

Chá de salvia

 

Pomada de salvia – 2 mão cheias de folhas secas para 250g de cera de abelha. Pique bem as folhas num almofariz. Depois derreta a cera de abelha em banho maria. Quando esta estiver derretida acrescente as folhas de salvia amassadas. Deixe ferver em lume brando durante 2min. Coe e guarde a mistura num frasco de vidro com tampa. Esta pomada é indicada para picadas de insectos, dores musculares, reumático e dor ciática.

Tintura de salvia – Deixar macerar, durante 1 semana, 100g de folhas de salvia num litro de aguardente. Deve agitar a mistura todos os dias. No final da semana, coe e guarde num frasco de vidro conta-gotas. Tome 30 gotas num copo de água 2h antes de dormir ou de 8 em 8h. Indicada para gengivites, dores de garganta, febres e transpirações excessivas.

 

Indicações terapêuticas da sálvia

 

Contra-Indicações:

  • Mulheres grávidas e lactantes ou pessoas que sofram de epilepsia.
  • Tome bastante atenção às dosagens nas tomas de salvia, esta pode provocar desiquilíbrios como estados de histeria, insónias, depressões, ansiedades excessiva, gases, problemas cardíacos, aftas, aumento da pressão arterial e irritações na pele.
  • Não ultrapassar as doses diárias nem os 10 dias de tratamento pois a planta pode tornar-se tóxica quando tomada por períodos mais prolongados.
  • No caso de ocorrer efeitos indesejáveis deverá cancelar imediatamento o tratamento.
  • Fumar folhas de salvia pode provocar estados alucinogénicos.

Escrito por A Senhora do Monte

Uma homenagem ao Portugal das tradições, dos saberes e dos sabores.

  • Sandra Dos Santos Oliveira

    Que Matéria muito interessante Parabéns

  • Pingback: Vinagre dos Quatro Ladrões - Mezinha - A Senhora do Monte()

  • Pingback: Experimente esta receita de peixinhos da horta com folhas de sálvia! - A Senhora do Monte()

  • cris monteiro

    Ola, pergunta sobre a aplanta Salvia ou Salva :
    Tenho Salvia officinalis var. Icterina no jardim de casa e conheco seus usos na colinaria, recentemente fiuei curiosa sobre a sua utilizacao em rituais de purificacao da casa ,sendo que: sempre que vejo o metodo a ser explicado este refere-se ‘a Salvia Branca.
    A duvida ‘e se a Icterina tem tambem esse proposito. Ouvi tambem dizer ue algumas especies de salvia nao devem ser ueimadas pois seu fumo tornam-se toxico ( nao consigo verificar a veracidade desta info.) . Agradeco se me conseguir ilucidar nas duvidas!
    Atenciosamente Cris

    • A Senhora do Monte

      Não vemos qualquer problema! :)